Tag: Falta de troco

31
maio

Entenda como a falta de troco pode gerar um impacto negativo na economia

Diariamente, apesar da utilização cada vez mais comum dos cartões, muitas pessoas ainda optam por usar dinheiro em espécie para pagar suas contas. E aí surge o velho problema da falta de troco. É uma situação tão comum, que dificilmente paramos para pensar no impacto que ela pode ter na economia. Sai prejudicado o consumidor, que repetidamente joga fora seu dinheiro, mas também o comerciante, que muitas vezes acaba recebendo um valor menor do que o devido para não perder a venda.

Os problemas causados pela falta de troco

O mundo está sempre se transformando e, com ele, nossos hábitos. Uma das principais mudanças em curso durante os últimos anos foi na forma como utilizamos o nosso dinheiro. Os cartões, impulsionados pelo comércio eletrônico, são cada vez mais comuns. E, recentemente, surgiram ainda as moedas virtuais.

Segundo dados do Banco Central, em 2010, 67% das transações eram realizadas em dinheiro vivo, ao passo que em 2013 esta taxa caiu para 57%. Porém, mesmo com a queda, o estudo ainda mostra que, para gastos indispensáveis e regulares, como compras pequenas no mercado, contas de água, luz e aluguel, o brasileiro prefere pagar com papel moeda.

Por isso, a falta de troco ainda pode ser considerada um problema grave para a economia. E existem duas principais causas que explicam essa realidade. A primeira tem a ver com o hábito de não utilizar moedas, fruto de um período de grande inflação, em que elas perdiam facilmente o valor. Com isso, passou a ser comum as pessoas terem cofrinhos cheios de moedas em casa. Elas ficam lá, guardadas, até que um dia são finalmente trocadas ou se perdem.

Pode parecer loucura, mas, no Brasil, um terço das moedas emitidas são tiradas de circulação por causa de nosso mau hábito. Em média, cada brasileiro tem 27 moedas guardadas ou esquecidas. Isso representa mais ou menos R$ 508 milhões perdidos em cofrinhos, nos sofás, bolsos de calça e outros lugares improváveis. O que pouca gente sabe é que o custo de produção das moedas é maior do que o das cédulas. Repor esta quantia custaria aos cofres públicos cerca de R$ 1,1 bilhão.

A segunda causa é a obrigação legal de a empresa baixar preço diante da falta de troco. Isso afeta diretamente o comércio, pois, de pouco em pouco, a conta a pagar cresce e o prejuízo bate na porta.

Em grande parte, isso tem ligação com os preços fracionados. Se um determinado produto custa R$ 0,99 centavos e o consumidor resolver cobrar o direito de receber o troco, o comerciante será obrigado a devolver R$ 0,05 centavos. Em uma conta simples, temos, nesse caso, R$ 0,04 centavos de prejuízo em cada venda.

Claro que essa é uma estratégia das empresas, amplamente utilizada. Mas se isso não for feito com planejamento e cuidado, o resultado pode ser a perda de recursos preciosos para o caixa do negócio.

Um exemplo que ilustra bastante o problema da falta de moedas e trocados é o Metrô da cidade de São Paulo. Em 2016, a empresa deixou de arrecadar cerca de R$ 6 milhões devido a descontos na tarifa por falta de moedas para troco nas bilheterias. Isso significou uma perda de RS 20 mil por dia, o que representa 0,4% da arrecadação com venda de bilhetes.

Troco Simples

Sabemos que nem todo mundo possui cartões de crédito ou débito, muito menos moedas virtuais. E mesmo aqueles que possuem, não utilizam para todos os gastos. Então, para ajudar quem utiliza cédulas, criamos o aplicativo Troco Simples, que faz o troco render dinheiro e evita prejuízos para a sociedade.

Além de ser fácil de usar e concentrar o troco em um único lugar, o aplicativo permite que o consumidor lucre e receba ainda muitas outras vantagens, seja como cliente, seja como estabelecimento. O Troco Simples está disponível na Apple Store e no Google Play gratuitamente. Assim que realizar o download e configurar sua conta, seu saldo estará pronto para ser utilizado.

Visite nosso site para aprender a fazer seu cadastro e conhecer nossos parceiros, empresas onde você poderá receber seu troco com o aplicativo e usar seu saldo para comprar produtos e serviços. Assine também nossa newsletter para não perder as novidades do blog.

17
nov

As vantagens e os cuidados da Black Friday para lojas físicas

Com consecutivos recordes no faturamento registrados todos os anos pelo e-commerce, a edição de 2017 da Black Friday, marcada para 24 de novembro, tem tudo para ser um sucesso mais uma vez. De acordo com pesquisa da Ebit, empresa especializada em informações sobre o comércio eletrônico, a expectativa é de um aumento de 15% no volume de vendas em comparação com 2016, chegando a R$ 2,185 bilhões.

O número de pedidos também deve crescer, indo de 2,92 milhões para 3,1 milhões. O mesmo está previsto para acontecer com o ticket médio, que pode ter alta de 6,4%, alcançando a marca de R$ 695. Os números impressionam, mas engana-se quem pensa a Black Friday é uma data importante apenas para o e-commerce.

É cada vez maior o números lojas físicas participantes e volume de consumidores que procuram esses estabelecimentos em busca de descontos nessa ocasião. Uma pesquisa do Google, inclusive, aponta que 34% dos entrevistados devem procurar uma loja física durante a Black Friday.

As vantagens de participar da Black Friday

Participar da Black Friday gera algumas vantagens para as lojas físicas. Uma delas é o próprio aumento no volume de vendas, que é considerável quando comparado aos dias normais. Para muitos estabelecimentos, pode ser a oportunidade de equilibrar as contas da empresa ou de levantar um capital para algum investimento no negócio.

Outra vantagem é a possibilidade de realizar uma queima de estoque. Esse é, inclusive, o motivo pelo qual surgiu a Black Friday nos Estados Unidos. A ideia é eliminar tudo o que não foi vendido até então e liberar espaço no estoque para os produtos de Natal. Mesmo que no Brasil esse não seja um mote, trata-se de uma grande oportunidade, que, inclusive, está ligada ao benefício que mencionamos anteriormente.

Com o estoque renovado, o lojista pode entrar para o período de Natal com um melhor planejamento, podendo pensar em estratégias mais assertivas e voltadas para os produtos mais adequados para o período.

Mais uma importante vantagem que a Black Friday proporciona ao varejo é a atração de novos clientes. Seduzidos por promoções, muitos consumidores podem ter o primeiro contato com a loja na Black Friday, gerando uma grande oportunidade de fidelizar esse público, mostrando a ele o que o estabelecimento tem a oferecer, os diferenciais e, claro, o bom atendimento.

A importância do planejamento

No entanto, para que tudo isso funcione e a Black Friday realmente se converta em vantagens para os lojistas, é fundamental se planejar e estar bem preparado para a data. Como diz o ditado: todo cuidado é pouco.

Entre os preparativos, o empresário deve conversar com seus fornecedores, tentando preços melhores e também produtos diferenciados, que chamem a atenção dos consumidores e que não concorram com os que já fazem parte do seu catálogo. Esse pode ser o grande chamariz para seu estabelecimento.

Não dar um passo maior do que a perna também é mais uma dica vital para a Black Friday. Na empolgação da data, é preciso ter cuidado para não conceder descontos que estejam além da capacidade. No fim, isso poderá comprometer de forma séria o caixa da loja e causar um grande prejuízo. Ser realista é o ideal.

Cuidados importantes

O cuidado mais importante a ser observado na Black Friday é a honestidade para com o público. Existe, em torno da data, uma desconfiança em relação à veracidade das promoções, fazendo com o que o público fique com um pé atrás. Então, é dever do comerciante ser o mais honesto possível na hora de dar os descontos nos produtos. Não vale aumentar o valor e fazer “metade do dobro”.

Outro cuidado que pode fazer toda a diferença para as lojas físicas é com o troco. Com o aumento da demanda no dia da Black Friday, esse pode realmente acabar sendo um problema se o lojista não se preparar adequadamente.

Para isso, correr atrás de moedas ou notas de menor valor pode não ser a melhor solução, pois sempre pode acabar faltando, uma vez que o empresário não tem como prever exatamente qual será o volume de clientes que atenderá neste dia.

Dessa forma, é essencial buscar outras opções. Uma delas é oferecida pela Troco Simples, que desenvolveu um aplicativo pelo qual o troco, ao invés de ser pago em moedas ou notas de pequeno valor, vira crédito no CPF do cliente, rendendo várias vantagens. Que tal conhecer melhor nossa solução, descobrir como ela é capaz de deixar sua empresa mais organizada e, assim, evitar preocupações com o troco? Acesse nosso site e entre em contato para tirar todas as suas dúvidas!

10
out

Como evitar o desgaste com os clientes por falta de troco no comércio

O consumidor vai fazer o pagamento, dá uma nota de R$ 10, R$ 20 ou R$ 50, o comerciante olha para o caixa e não encontra moedas ou notas de menor valor para devolver. Com isso, a pessoa, que muitas vezes está com pressa, precisa esperar enquanto uma solução é procurada. Esse é um roteiro bastante conhecido no mercado e muita gente deve enfrentá-lo mais de uma vez por dia. O desgaste com o cliente por falta de troco no comércio acaba, infelizmente, sendo algo muito comum.

E isso pode ter um impacto maior ou menor, dependendo do humor e da paciência do cliente. Alguns entendem a situação com mais facilidade e outros, por conta de uma série de fatores, se irritam e podem até mesmo perder o controle em um caso mais extremo. Independentemente do grau de incômodo gerado, ele deve ser evitado pelos comerciantes.

Problemas acontecem e ninguém está imune a eles, mas o consumidor não deve, em hipótese alguma, ser penalizado. Até porque a primeira coisa que ele pensa é: se a loja não tem troco, a culpa não é minha. Por que eu tenho que ficar aqui esperando e pagando o preço pela falta de organização? Essa é uma pergunta que também surge.

Por mais que você saiba que a questão não seja a falta de organização, é fundamental entender a situação do cliente e não entrar em conflito. Afinal, ele entende que está pagando por um produto ou serviço e que, por isso, merece receber um atendimento de qualidade.

Como evitar o desgaste com o cliente por falta de troco no comércio

Uma maneira de evitar esse desgaste por falta de troco no comércio, portanto, é justamente entender que, de fato, o cliente merece um bom atendimento. E isso inclui o cumprimento da legislação e o respeito ao direito do consumidor. Algumas práticas regularmente utilizadas por estabelecimentos comerciais quando há falta de troco são ilegais.

Uma delas é a oferta de balas, chicletes e outros itens menores no lugar do troco, ação que pode ser considerada venda casada, ou seja, condicionar a venda de um produto a outro, o que é proibido pelo Código de Defesa do Consumidor. Isso porque o cliente quer levar determinado produto e, devido à falta de troco, é obrigado a levar outro.

Da mesma forma, arredondar o valor para cima, como nos casos de preços a R$ 1,99, também é uma prática ilegal, podendo ser considerada enriquecimento ilícito, pois o estabelecimento estaria lucrando indevidamente às custas do patrimônio alheio.

Além disso, arredondar o valor para cima também pode ser interpretado como propaganda enganosa, já que o produto foi anunciado com um preço e, na hora de pagar, ele é cobrado com outro.

Tanto a bala quanto o arredondamento para cima podem parecer ações corriqueiras e normais, mas, como vimos, são ilegais. E mesmo que não fossem, deveriam ser eliminadas, porque demonstram pouco respeito ao consumidor e geram o desgaste que poderia ser evitado.

Quando há falta de troco no comércio, a lei determina que o estabelecimento arredonde o valor para baixo. No caso de uma conta de R$ 10,98, por exemplo, o comerciante deve devolver R$ 0,05. Se ele não tiver essa quantia, passa para R$ 0,10, R$ 0,25 e assim por diante. É obrigação da empresa devolver o troco corretamente.

Resolvido o problema do desgaste com os clientes, pode surgir aqui outro dilema. Ao ter que arredondar o valor para baixo, o estabelecimento pode, dependendo da frequência, acabar tendo um prejuízo, já que estará abrindo mão de um valor que foi devidamente calculado dentro de uma margem de lucro. Um supermercado, por exemplo, pode perder uma quantia considerável dessa maneira.

Mas aí a solução não seria arredondar os valores no momento da precificação? Quem é comerciante sabe que os números acabam ficando quebrados por conta da disputa com a concorrência, principalmente em supermercados, em que as diferenças ficam em poucos centavos.

Como resolver tudo isso, então? Não dependendo tanto de moedas e notas de menor valor para devolver o troco. Existem soluções tecnológicas que cumprem essa função, dando ao comerciante a flexibilidade e tirando a preocupação de ficar sempre abastecendo o caixa com trocados.

Entre as alternativas está o aplicativo Troco Simples, que consiste em um sistema pelo qual os comerciantes devidamente cadastrados podem oferecer o troco em crédito no CPF do cliente, em vez retornar o dinheiro em moedas ou cédulas. Os clientes podem acumular os valores e obter algumas vantagens, como valorização do dinheiro e prêmios.

Gostou da ideia? Conheça melhor o aplicativo Troco Simples e saiba como ele pode ajudar seu estabelecimento a resolver o problema da falta de troco e atuar também na fidelização de clientes. Converse com a gente!