Saiba o que fazer para não ficar vulnerável à falta de troco no mercado

Se fizéssemos uma enquete perguntando aos comerciantes se eles já passaram por problemas de falta de troco, é provável que o “não” tenha um percentual muito baixo. Querendo ou não, ter que se virar para conseguir devolver os valores aos clientes faz parte do dia a dia do responsável pelo caixa dos estabelecimentos comerciais, que precisa lidar com as mais diferentes situações na hora de negociar o pagamento.

Esse profissional sabe muito bem que, em grande parte, o problema da falta de troco é causado pela ausência de moedas no mercado. E ao olhar os números, não é difícil entender o porquê dessa realidade. De acordo com o Banco Central, o conjunto das moedas entesouradas, ou seja, guardadas das mais variadas formas, representa cerca de 35% do total.

Se considerarmos quase 25 bilhões de moedas de Real emitidas desde 1994, chegamos ao número estimado de 8,7 bilhões de moedas entesouradas, o que corresponde a aproximadamente R$ 1,4 bilhão. É muita coisa, não é mesmo? Imagine a diferença que elas fariam se estivessem circulando!

A questão é que, infelizmente, não dá para contar com isso. Guardar moedas em cofrinhos, latas, garrafas de refrigerante, gavetas e na própria carteira é um costume bastante enraizado. Até mesmo entre os comerciantes é difícil encontrar alguém que nunca tenha feito sua reserva de moedas.

Essa é uma das maneiras mais fáceis que as pessoas encontram de guardar dinheiro para executar algum plano ou para se prevenir de algum imprevisto — bom, pelo menos elas acham que é o modo simples e correto. É um processo automático. Vai à padaria ou ao mercado e recebe moedas de troco? Imediatamente as guarda para colocar no cofrinho! Costuma ser exatamente assim, não é verdade?

Para termos uma ideia do quanto essa prática já virou hábito, o Banco Central chegou a lançar uma campanha pedindo para que as pessoas retirem as moedas do bolso e façam elas circularem no mercado. É uma forma de amenizar o problema e tentar ajudar os comerciantes.

Além da iniciativa do Banco Central, os próprios comerciantes tentam mudar essa realidade. Não faltam exemplos de estabelecimentos que oferecem vantagens para quem faz o pagamento em moedas. Alguns bares chegam a vender cerveja por R$ 1 para quem realizar o pagamento com o tão sonhado metal.

A questão da sustentabilidade

A falta de circulação de moedas não causa apenas o problema de falta de troco. Há ainda um prejuízo para o meio ambiente. Isso porque o entesouramento gera a necessidade de produção. Em 2016, de acordo com dados do Banco Central, os custos de suprimentos chegaram a R$ 243 milhões: foram colocadas em circulação 761 milhões de unidades de novas moedas, 11% acima do total disponibilizado em 2015 (685 milhões).

O problema atinge um patamar muito alto e o preço a ser pago é considerável para ser ignorado. Otimizar o uso das moedas, portanto, gera uma economia de recursos públicos, de energia e de minérios. E isso, às vezes, passa batido, não é mesmo?

Como reduzir a exposição à falta de troco

Por tudo que isso que abordamos até aqui, uma coisa é certa: o comércio não pode ficar dependente da moeda para conseguir oferecer o troco para seus clientes. Por mais que existam iniciativas e campanhas para tentar conscientizar as pessoas e tentar amenizar o problema, o fato é que não dá para ficar esperando por isso.

Os comerciantes precisam ir em busca de alternativas, apelar para a criatividade e, principalmente, para a tecnologia. Existem opções que podem ajudar as empresas a resolverem o problema de falta de troco.

Além disso, é importante ter em mente que as pessoas estão cada vez mais conectadas e, por isso, têm mais facilidade para lidar com soluções tecnológicas. Elas, inclusive, esperam por isso e dão mais valor para estabelecimentos que encontram alternativas criativas e que oferecem vantagens interessantes.

A Troco Simples oferece uma solução que se encaixa perfeitamente nessa ideia. Criamos um aplicativo pelo qual os comerciantes cadastrados podem oferecer o troco em crédito no CPF do cliente, em vez retornar o dinheiro em moedas ou cédulas. Os valores podem ser acumulados e render juros e outras vantagens, como prêmios e a possibilidade de colocar créditos no celular. Assim, reduz-se a preocupação em ter um montante no caixa para utilizar de troco.

Para os clientes participarem, como o próprio nome do aplicativo indica, é simples também: basta que se cadastrem gratuitamente no sistema. E aí é importante o comerciante mostrar os benefícios e incentivar as pessoas a fazerem isso. Quanto mais consumidores estiverem participando, menor será a preocupação em ter moedas e cédulas de menor valor para dar como troco.

Conheça a Troco Simples e saiba em detalhes como funciona nosso aplicativo. Queremos ser parceiros do seu negócio, ajudando você a resolver um problema e ainda oferecendo vantagens para seus clientes. Conte com a gente!

Deixe um comentário