Como evitar o desgaste com os clientes por falta de troco no comércio

O consumidor vai fazer o pagamento, dá uma nota de R$ 10, R$ 20 ou R$ 50, o comerciante olha para o caixa e não encontra moedas ou notas de menor valor para devolver. Com isso, a pessoa, que muitas vezes está com pressa, precisa esperar enquanto uma solução é procurada. Esse é um roteiro bastante conhecido no mercado e muita gente deve enfrentá-lo mais de uma vez por dia. O desgaste com o cliente por falta de troco no comércio acaba, infelizmente, sendo algo muito comum.

E isso pode ter um impacto maior ou menor, dependendo do humor e da paciência do cliente. Alguns entendem a situação com mais facilidade e outros, por conta de uma série de fatores, se irritam e podem até mesmo perder o controle em um caso mais extremo. Independentemente do grau de incômodo gerado, ele deve ser evitado pelos comerciantes.

Problemas acontecem e ninguém está imune a eles, mas o consumidor não deve, em hipótese alguma, ser penalizado. Até porque a primeira coisa que ele pensa é: se a loja não tem troco, a culpa não é minha. Por que eu tenho que ficar aqui esperando e pagando o preço pela falta de organização? Essa é uma pergunta que também surge.

Por mais que você saiba que a questão não seja a falta de organização, é fundamental entender a situação do cliente e não entrar em conflito. Afinal, ele entende que está pagando por um produto ou serviço e que, por isso, merece receber um atendimento de qualidade.

Como evitar o desgaste com o cliente por falta de troco no comércio

Uma maneira de evitar esse desgaste por falta de troco no comércio, portanto, é justamente entender que, de fato, o cliente merece um bom atendimento. E isso inclui o cumprimento da legislação e o respeito ao direito do consumidor. Algumas práticas regularmente utilizadas por estabelecimentos comerciais quando há falta de troco são ilegais.

Uma delas é a oferta de balas, chicletes e outros itens menores no lugar do troco, ação que pode ser considerada venda casada, ou seja, condicionar a venda de um produto a outro, o que é proibido pelo Código de Defesa do Consumidor. Isso porque o cliente quer levar determinado produto e, devido à falta de troco, é obrigado a levar outro.

Da mesma forma, arredondar o valor para cima, como nos casos de preços a R$ 1,99, também é uma prática ilegal, podendo ser considerada enriquecimento ilícito, pois o estabelecimento estaria lucrando indevidamente às custas do patrimônio alheio.

Além disso, arredondar o valor para cima também pode ser interpretado como propaganda enganosa, já que o produto foi anunciado com um preço e, na hora de pagar, ele é cobrado com outro.

Tanto a bala quanto o arredondamento para cima podem parecer ações corriqueiras e normais, mas, como vimos, são ilegais. E mesmo que não fossem, deveriam ser eliminadas, porque demonstram pouco respeito ao consumidor e geram o desgaste que poderia ser evitado.

Quando há falta de troco no comércio, a lei determina que o estabelecimento arredonde o valor para baixo. No caso de uma conta de R$ 10,98, por exemplo, o comerciante deve devolver R$ 0,05. Se ele não tiver essa quantia, passa para R$ 0,10, R$ 0,25 e assim por diante. É obrigação da empresa devolver o troco corretamente.

Resolvido o problema do desgaste com os clientes, pode surgir aqui outro dilema. Ao ter que arredondar o valor para baixo, o estabelecimento pode, dependendo da frequência, acabar tendo um prejuízo, já que estará abrindo mão de um valor que foi devidamente calculado dentro de uma margem de lucro. Um supermercado, por exemplo, pode perder uma quantia considerável dessa maneira.

Mas aí a solução não seria arredondar os valores no momento da precificação? Quem é comerciante sabe que os números acabam ficando quebrados por conta da disputa com a concorrência, principalmente em supermercados, em que as diferenças ficam em poucos centavos.

Como resolver tudo isso, então? Não dependendo tanto de moedas e notas de menor valor para devolver o troco. Existem soluções tecnológicas que cumprem essa função, dando ao comerciante a flexibilidade e tirando a preocupação de ficar sempre abastecendo o caixa com trocados.

Entre as alternativas está o aplicativo Troco Simples, que consiste em um sistema pelo qual os comerciantes devidamente cadastrados podem oferecer o troco em crédito no CPF do cliente, em vez retornar o dinheiro em moedas ou cédulas. Os clientes podem acumular os valores e obter algumas vantagens, como valorização do dinheiro e prêmios.

Gostou da ideia? Conheça melhor o aplicativo Troco Simples e saiba como ele pode ajudar seu estabelecimento a resolver o problema da falta de troco e atuar também na fidelização de clientes. Converse com a gente!

Deixe um comentário