maio 2018

31
maio

Entenda como a falta de troco pode gerar um impacto negativo na economia

Diariamente, apesar da utilização cada vez mais comum dos cartões, muitas pessoas ainda optam por usar dinheiro em espécie para pagar suas contas. E aí surge o velho problema da falta de troco. É uma situação tão comum, que dificilmente paramos para pensar no impacto que ela pode ter na economia. Sai prejudicado o consumidor, que repetidamente joga fora seu dinheiro, mas também o comerciante, que muitas vezes acaba recebendo um valor menor do que o devido para não perder a venda.

Os problemas causados pela falta de troco

O mundo está sempre se transformando e, com ele, nossos hábitos. Uma das principais mudanças em curso durante os últimos anos foi na forma como utilizamos o nosso dinheiro. Os cartões, impulsionados pelo comércio eletrônico, são cada vez mais comuns. E, recentemente, surgiram ainda as moedas virtuais.

Segundo dados do Banco Central, em 2010, 67% das transações eram realizadas em dinheiro vivo, ao passo que em 2013 esta taxa caiu para 57%. Porém, mesmo com a queda, o estudo ainda mostra que, para gastos indispensáveis e regulares, como compras pequenas no mercado, contas de água, luz e aluguel, o brasileiro prefere pagar com papel moeda.

Por isso, a falta de troco ainda pode ser considerada um problema grave para a economia. E existem duas principais causas que explicam essa realidade. A primeira tem a ver com o hábito de não utilizar moedas, fruto de um período de grande inflação, em que elas perdiam facilmente o valor. Com isso, passou a ser comum as pessoas terem cofrinhos cheios de moedas em casa. Elas ficam lá, guardadas, até que um dia são finalmente trocadas ou se perdem.

Pode parecer loucura, mas, no Brasil, um terço das moedas emitidas são tiradas de circulação por causa de nosso mau hábito. Em média, cada brasileiro tem 27 moedas guardadas ou esquecidas. Isso representa mais ou menos R$ 508 milhões perdidos em cofrinhos, nos sofás, bolsos de calça e outros lugares improváveis. O que pouca gente sabe é que o custo de produção das moedas é maior do que o das cédulas. Repor esta quantia custaria aos cofres públicos cerca de R$ 1,1 bilhão.

A segunda causa é a obrigação legal de a empresa baixar preço diante da falta de troco. Isso afeta diretamente o comércio, pois, de pouco em pouco, a conta a pagar cresce e o prejuízo bate na porta.

Em grande parte, isso tem ligação com os preços fracionados. Se um determinado produto custa R$ 0,99 centavos e o consumidor resolver cobrar o direito de receber o troco, o comerciante será obrigado a devolver R$ 0,05 centavos. Em uma conta simples, temos, nesse caso, R$ 0,04 centavos de prejuízo em cada venda.

Claro que essa é uma estratégia das empresas, amplamente utilizada. Mas se isso não for feito com planejamento e cuidado, o resultado pode ser a perda de recursos preciosos para o caixa do negócio.

Um exemplo que ilustra bastante o problema da falta de moedas e trocados é o Metrô da cidade de São Paulo. Em 2016, a empresa deixou de arrecadar cerca de R$ 6 milhões devido a descontos na tarifa por falta de moedas para troco nas bilheterias. Isso significou uma perda de RS 20 mil por dia, o que representa 0,4% da arrecadação com venda de bilhetes.

Troco Simples

Sabemos que nem todo mundo possui cartões de crédito ou débito, muito menos moedas virtuais. E mesmo aqueles que possuem, não utilizam para todos os gastos. Então, para ajudar quem utiliza cédulas, criamos o aplicativo Troco Simples, que faz o troco render dinheiro e evita prejuízos para a sociedade.

Além de ser fácil de usar e concentrar o troco em um único lugar, o aplicativo permite que o consumidor lucre e receba ainda muitas outras vantagens, seja como cliente, seja como estabelecimento. O Troco Simples está disponível na Apple Store e no Google Play gratuitamente. Assim que realizar o download e configurar sua conta, seu saldo estará pronto para ser utilizado.

Visite nosso site para aprender a fazer seu cadastro e conhecer nossos parceiros, empresas onde você poderá receber seu troco com o aplicativo e usar seu saldo para comprar produtos e serviços. Assine também nossa newsletter para não perder as novidades do blog.

24
maio

A importância de investir em novidades na sua loja

A crise até afetou o comércio, mas a retomada do crescimento do consumo que iniciou já em 2017 tem tudo para ser ainda mais intensa neste ano. A expectativa para o desempenho das vendas, segundo pesquisa divulgada pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), é de alta de 5,2% em 2018. Diante dessa perspectiva, como se preparar para atender os consumidores e se destacar entre os concorrentes? Investindo em novidades na sua loja!

E quando falamos em novidades na sua loja, elas podem aparecer nos mais diversos aspectos, desde a variedade de produtos até as formas de pagamento. Atrair clientes e fazer com que eles se sintam satisfeitos passa por uma ação eficaz, assertiva e criativa. Por isso, reunimos três dicas que farão você se diferenciar.

Invista em um bom mix de produtos

Pense que você é um consumidor assíduo de produtos esportivos e está escolhendo uma loja na qual irá realizar a próxima compra de roupas e tênis. Entre as características que fazem optar por comprar em uma ou outra loja, certamente estará a facilidade de encontrar tudo o que procura em um único lugar, não é mesmo?

Para isso, é necessário que a loja escolhida ofereça, por exemplo, variedade em roupas para academia, para corrida, tênis e, quem sabe, até aquela camisa do seu time de futebol.

Sabendo disso, você precisa pensar da mesma maneira quando o seu papel está sendo desempenhado do outro lado do balcão. Um empreendedor deve sempre estar atento às necessidades do consumidor e ao leque de produtos que pode oferecer.

Se a sua loja está começando, trabalhar para criar uma boa reputação e um posicionamento de mercado é fundamental. Isso faz com que seus clientes tenham em mente a sua marca quando pensarem em comprar determinado produto.

Por exemplo, se o seu segmento é esporte, que tal começar vendendo acessórios de academia? Trata-se de um nicho em ampla expansão, no qual os produtos possuem um grande apelo e mercado aberto. Dessa maneira, você segmenta a sua atuação e cria uma boa base de clientes.

Agora, se a sua loja já é consolidada, é o momento para apostar ainda mais na variedade do mix de produtos. Voltando ao exemplo da loja de produtos esportivos, agora que há um público cativo, que tal expandir sua atuação e abraçar novos itens? Chuteiras, tênis, camisas de times e seleções, luvas de boxe são algumas alternativas. O que não faltam são opções, não é mesmo?

Atendimento personalizado pode ser um diferencial

Imagine a seguinte situação: você ouve falar muito bem da comida de um restaurante e resolve provar as delícias recomendadas por sites e blogs. O estabelecimento fica do outro lado da cidade, mas isso não é um problema. Chegando lá, percebe que as recomendações estavam certas, o ambiente é agradável e a comida é, talvez, a melhor que você já experimentou. Mas o atendimento, por sua vez, decepcionou.

Fica claro que o bom atendimento é, sem dúvida, fundamental na sua escolha, certo? E também é na dos demais consumidores. Portanto, investir nesse quesito é primordial para atrair e fidelizar clientes.

Invista em novidades no que diz respeito à personalização deste atendimento. Voltando ao exemplo da loja de esportes, que tal destacar um funcionário que seja apaixonado e entenda de futebol para atender no departamento de camisas de clubes? Certamente, a experiência do seu cliente será muito mais satisfatória se ele puder discutir o Campeonato Brasileiro ou a Copa do Mundo enquanto escolhe o modelo e o tamanho ideal.

Faça da tecnologia sua parceira na hora de investir em novidades na sua loja

O pagamento é a etapa final da compra. Mas não é momento para relaxar! Investir em novidades na sua loja passa por oferecer ao cliente uma boa experiência também no caixa. Por isso, ter a tecnologia a seu favor é um diferencial e tanto.

E entre os problemas corriqueiros desta etapa, a falta de troco é um que impacta muitas lojas, especialmente em períodos de grande movimento. Pode parecer um detalhe, mas é algo que faz muita diferença. Diversos clientes desistem de uma compra pela falta de troco.

E foi pensando nisso que a Troco Simples criou uma solução para a sua loja não passar por esse sufoco e, de quebra, mostrar aos consumidores que você está atento às tecnologias, investindo para melhorar a experiência de compra.

O aplicativo Troco Simples é prático, pode ser acessado do celular e permite que os comerciantes cadastrados ofereçam o troco em crédito diretamente no CPF do cliente. Dessa maneira, as famosas moedinhas são dispensadas e os consumidores, além de conseguir calcular os valores recebidos, ainda têm rendimentos com juros e outras vantagens, como prêmios e a possibilidade de, por exemplo, converter o troco em crédito para celular.

Conheça o Troco Simples, veja em detalhes como o aplicativo funciona e as vantagens que ele oferece! Gostou das nossas dicas? Compartilhe este artigo com seus amigos e deixe seu comentário!

17
maio

Como planejar o troco no comércio e evitar o prejuízo

Talvez um dos problemas que mais dão dor de cabeça na rotina diária dos comércios seja a dificuldade em trabalhar com os chamados trocos “miúdos”. Hoje, muitas pessoas contam com o suporte de um cartão de crédito ou de débito. Mas, se por um lado a adoção dessa forma de pagamento ajuda na cobrança de valores quebrados, por outro ela diminui consideravelmente a circulação de moedas e notas pequenas nos comércios de rua. E é quando chega a hora de dar o troco para o cliente que prefere pagar em dinheiro que os problemas começam. Para isso, a solução é planejar o troco e adotar algumas ações que podem ajudar bastante a evitar indisposição com seus clientes e facilitar a gestão do seu caixa.

1- Promova a cultura de moedas na equipe de vendas

O primeiro fator que o empreendedor precisa ter em mente é que, independentemente das dificuldades em garantir o troco “miúdo”, essa é uma responsabilidade da sua empresa. Seu cliente está adquirindo um produto seu, foi até a sua loja e escolheu você. Nada mais justo do que garantir que ele saia satisfeito e seja bem tratado.

Aqui, uma boa alternativa é criar uma cultura interna para troca de moedas com a sua equipe de vendas, por exemplo. Não custa nada fazer uma reunião com os seus funcionários e criar incentivos para que eles tragam as suas moedas e os trocos menores que juntam em casa e troquem por notas mais “graúdas” com o seu caixa. Mesmo que talvez esse movimento não seja o bastante para suprir todas as necessidades com troco da sua empresa, definitivamente vai facilitar a vida de quem opera o seu caixa.

2- Pratique preços inteiros

Além de planejar o troco, outra alternativa — um pouco mais ousada — é arredondar os seus preços. Não é segredo que alguns preços possuem um apelo emocional bastante tentador. Os famosos R$ 19,50, R$ 49,00 ou R$ 99,90 podem fazer com que o cliente sinta a compulsão por comprar, mas quando o empreendedor escolhe trabalhar com esses valores atraentes, é preciso lembrar que o seu negócio vai precisar garantir o troco.

Uma opção é fazer uma revisão do seu planejamento de vendas e a formação de preço para, talvez, trabalhar com valores inteiros. Ao invés de anunciar um produto por R$ 49,00, por exemplo, você pode fixar o preço em R$ 50,00 e evitar a necessidade de ter de voltar R$ 1,00 de troco no processo de compra — vale também diminuir o preço para um valor inteiro mais baixo e compensar essa redução subindo um pouco o valor de algum outro produto que também tenha boas vendas.

3- Organize seu caixa com antecedência

Uma situação bastante comum no comércio de rua é recorrer aos negócios e estabelecimentos vizinhos em busca de troco quando o caixa é surpreendido pela falta de notas pequenas ou moedas. Além de mostrar um pouco de despreparo por parte da sua equipe, fazer o cliente esperar para sair da loja nunca é uma boa alternativa — há casos mais extremos em que ele pode até mesmo desistir da compra. Por isso, vale organizar o seu caixa com antecedência.

Para planejar o troco, prepare pequenos pacotes com valores definidos em moedas e notas pequenas de valores variados depois do fechamento da semana, por exemplo, e coloque-os à disposição do caixa todos os dias pela manhã. Trocar suas notas “graúdas” por algumas pequenas sempre que possível também otimiza esse processo, sempre com o cuidado, é claro, de não misturar o seu caixa com as finanças pessoais.

4- Faça saques periodicamente

Você já deve ter se deparado com alguns bancos que trabalham com caixas eletrônicos separados por tipos de cédula. Por exemplo, existem máquinas que trabalham apenas com notas de R$ 2,00 ou R$ 5,00, voltadas especificamente para saques de valores menores. Ao se deparar com um caixa assim, o empreendedor pode se organizar para, em algum momento da semana, visitar a agência bancária e sacar valores um pouco mais elevados. Basta fazer as contas: se você sacar algo como R$ 95,00 em um caixa assim, é possível sair da agência com 19 cédulas de R$5,00, que com certeza vão ajudar bastante o seu caixa na hora de providenciar o troco corretamente.

5- A tecnologia pode ajudar a planejar o troco

Existem ainda algumas alternativas mais inovadoras que colocam a tecnologia a serviço do troco. O aplicativo da Troco Simples, por exemplo, oferece uma solução inteligente e prática que permite que os comerciantes cadastrados ofereçam o troco em crédito no CPF do cliente, em vez retornar o dinheiro em moedas ou cédulas.

Assim, os consumidores podem calcular os valores, que renderão juros e outras vantagens, como prêmios e a possibilidade de colocar créditos no celular. Para os clientes participarem, como o próprio nome do aplicativo indica, é simples também: basta que se cadastrem gratuitamente no sistema. E aí é importante o comerciante mostrar os benefícios e incentivar as pessoas a fazerem isso. Quanto mais consumidores estiverem participando, menor será a preocupação em ter moedas e cédulas de menor valor para dar como troco!

10
maio

Confira boas práticas para fazer a gestão de contratos com fornecedores

Na hora de avaliar os fatores que ajudam uma empresa a se manter ativa, atrativa e competitiva, não é segredo que os fornecedores desempenham um papel importantíssimo. Além de extremamente estratégicos no comércio, investir em um bom relacionamento com esses parceiros pode facilmente resultar em flexibilidade nas suas negociações, condições bem amigáveis de pagamento e a garantia de uma fonte confiável. Nesse contexto, a gestão de contratos surge como uma necessidade urgente.

Sabemos que com a pluralidade de ofertas e serviços no mercado, é essencial contar com produtos de qualidade, entregues dentro de uma logística eficiente e com preços justos. Assim, fica a cargo do fornecedor ajudar você a garantir sua vantagem competitiva.

Manter um relacionamento saudável e transparente com seus fornecedores também pode ajudar muito a sua empresa na hora de manter as finanças em dia. Veja bem, grande parte dos parceiros, até mesmo por uma questão de segurança e planejamento dos seus modelos de trabalho, costumam atuar com prazos de entrega mais esticados. Assim, eles podem se organizar melhor. Para o empreendedor, contudo, os longos prazos de entrega podem ser um problema. Ter um canal de diálogo aberto com os seus fornecedores pode diminuir esse tempo, permitindo que o seu negócio reduza a necessidade de grandes estoques e diminua os riscos e perdas, por exemplo.

A gestão de contratos também faz com que o empreendedor acabe contando com janelas melhores para negociar os prazos de pagamento, podendo rediscutir os preços e uma série de pequenas ações que, quando somadas, podem dar uma suavizada nos custos do seu negócio.

Em um exemplo prático, digamos que você tenha um relacionamento de longa data com um fornecedor, que resulta em grandes compras. Se você tiver esse fornecedor como um parceiro, alguém com quem sua empresa sempre possa contar, vai ser possível e vantajoso programar com bastante antecedência as suas futuras compras, descartando a necessidade de ter que se preocupar com a aquisição mês a mês.

O bom relacionamento com o fornecedor também serve para que a sua marca ganhe boa fama no seu mercado de atuação. Entre fornecedores, o “boca a boca” é muito comum, pois eles trocam experiências e cases com as empresas que trabalham. Se o seu fornecedor tiver passado por situações mais complicadas, como atraso nos pedidos ou no pagamento, é muito provável que isso se espalhe e sua marca acabe ficando com má reputação.

Por isso, vale ter uma atenção especial no gerenciamento dos contratos com os fornecedores, afinal, a estabilidade no fornecimento deixa tempo e tranquilidade para que o empreendedor se dedique um pouco mais em potencializar seu negócio.

Cuidados na gestão de contratos de fornecedores

Transparência e praticidade são valores que não devem estar somente no contato diário com sua equipe de fornecedores, mas também na gestão dos seus respectivos contratos. E não é segredo que a maneira mais fácil de evitar dores de cabeça é garantir que eles sejam redigidos da maneira mais clara e assertiva possível.

É necessário que todos os seus contratos, inclusive aqueles que tratam de processos futuros, estejam sempre alinhados às capacidades financeiras e técnicas da sua empresa. Ou seja, não feche negócios que não tenha capacidade de suprir. Além disso, discrimine de maneira clara as multas e penalidades referentes a quebras de termos do contrato para ambas as partes, fazendo que o documento também seja uma garantia para o seu negócio.

Nessa parte do processo, o arquivamento eficiente desses contratos também é a chave para manter o controle dos seus processos. Em algumas situações, pode ser de extrema importância para seu negócio uma rápida localização desses documentos, algo que pode ser bastante descomplicado em empresas de pequeno porte.

Um arquivo bem organizado pode ser feito até mesmo com o auxílio de armários ou escrivaninhas, separando os contratos, por exemplo, de acordo com a sua natureza: contratos com clientes, contratos com fornecedores, contratos com órgãos públicos e outros, sempre separando os documentos por ordem de vencimento.

E o trabalho não acaba por aí: vale que o empreendedor tenha em mente que, ao elaborar um contrato, ele está se preparando para criar e cultivar um laço que pode ser bastante duradouro com o fornecedor. É um processo onde a flexibilidade deve ser considerada com tanta atenção quanto a manutenção dos prazos e da qualidade.

Por isso, é importante ter uma noção exata de quando esses valores e condições podem ser mutáveis e planejar como sua empresa reagirá a essas mudanças. Afinal, lembre-se que todo esse esforço é voltado para garantir que a gestão de contratos com os fornecedores traga descomplicação e lucros para todas as partes envolvidas!

A Troco Simples também quer ser parceira da sua empresa. Entre em contato com a gente e saiba como podemos ajudar você a obter melhores resultados!

3
maio

Como preparar a força de vendas e melhorar os resultados da sua loja

De toda as ações e práticas que fazem parte dos pilares do comércio, a sua linha de frente é sem dúvidas a mais importante delas. Não é segredo que qualquer planejamento, ação coletiva, promoção ou estratégia passa obrigatoriamente pela sua equipe de vendedores, pois são eles que fazem o primeiro e o último contato com o cliente. São esses profissionais os responsáveis por apresentar e esclarecer as vantagens de adquirir os produtos e esmiuçar as facilidades e opções de pagamento. É por isso, então, que saber como preparar sua força de vendas é, ao mesmo tempo, complexo e vital para o empreendimento.

Com uma equipe de vendas bem estruturada e alinhada com o planejamento da sua empresa, é certo que você vai contar com uma força de trabalho que pode transformar a realidade do negócio. Será mais fácil conquistar e fidelizar clientes e, assim, ter muito mais tranquilidade na hora de administrar e focar na gestão comercial.

Por isso, seja na criação de uma equipe, seja na sua readaptação a uma nova realidade ou no aprimoramento de um modelo já adotado, avaliar sua estrutura e saber como preparar a força de vendas é essencial para manter a empresa competitiva e as vendas a todo vapor. A boa notícia, é claro, é que existem algumas ações simples e descomplicadas que podem ajudar bastante na hora de planejar e colocar em prática a potencialização da sua equipe. Fizemos uma relação das mais importantes.

1- Cultivar o controle dos processos de venda

Se o seu negócio contar com o suporte de um bom e eficiente controle de vendas, suas equipes vão ter muito mais facilidade na hora de orientar os clientes. É um processo no qual a transparência nas ações de gestão são refletidas com igual transparência nos resultados. Isso porque, se a comunicação e o fluxo de trabalho do seu negócio estão alinhados e definidos com sua equipe, fica muito mais fácil atuar com agilidade quando surgirem ameaças ou mesmo quando pintar aquela oportunidade única de negócio. Afinal, entender o ciclo de vendas e ter uma boa gestão de informações de cada processo faz os profissionais entrarem em sinergia e obterem melhores resultados

2- Atenção redobrada aos clientes ativos

Com o mercado cada vez mais complexo e competitivo, onde não faltam ofertas de produtos e fornecedores, os clientes são cada vez mais exigentes, os concorrentes mais ferozes e a informação está disponível à distância de um clique. Dessa forma, a fidelização se tornou uma ferramenta vital para a prosperidade de qualquer negócio.

Seus clientes ativos e regulares são a melhor fonte de pesquisa para uma empresa, por exemplo, pois eles sabem os pontos em que você precisa se desenvolver e qual é o seu diferencial no mercado. É importante que este conceito faça parte da cultura do seu negócio e da sua força de vendas, afinal, entender o que pensam os clientes é, em resumo, traçar novas oportunidades. Lembre-se: identificar as particularidades do consumidor é fundamental para tirar do papel estratégias assertivas e afuniladas para transformar os seus clientes em apaixonados e verdadeiros defensores da sua marca.

3- Investimento em capacitação da força de vendas

Um vendedor bem capacitado e preparado para lidar com qualquer tipo de situação vai converter clientes com muito mais facilidade. Incentivar e investir na profissionalização da sua força de vendas é uma ação que vai se converter em lucro e retorno financeiro. A dificuldade para interpretar os diferentes perfis de clientes e lidar com as particularidades de cada um reduz consideravelmente.

Em uma situação prática, imagine que seu cliente procure o seu comércio em busca de um produto específico, mas com algumas dúvidas sobre as funcionalidades ou especificações. Então, ele se depara com um vendedor profissional e preparado para sanar as dúvidas ou, ainda que ele não saiba tudo sobre o item, conheça formas práticas e rápidas de conseguir a informação que o comprador deseja. Sua marca acaba de deixar uma boa impressão e as chances de essa pessoa voltar ou se tornar um cliente regular são extremamente elevadas.

4- Cuidados com o pós-venda

Não esqueça que o trabalho da sua força de vendas não acaba quando o dinheiro entra e o cliente sai. Em muitos casos, a falta de assistência no pós-venda acaba levando seus clientes a buscarem a concorrência. Por isso, manter o cadastro de consumidores atualizado e tomar a iniciativa de procurá-los depois do processo de venda pode ajudar a aumentar o nível de satisfação.

Para dar suporte para sua força de vendas depois que ela estiver devidamente preparada, um detalhe é importante: o troco. Muitos comerciantes não dão a devida atenção, mas ponto é crucial para não criar um desgaste desnecessário com os consumidores. E resolver o problema da falta de troco é justamente a função do aplicativo Troco Simples, que transforma aquelas moedas em crédito no CPF. Clique aqui e conheça melhor essa solução.