julho 2017

28
jul

Dicas para começar um pequeno negócio do zero

Começar um negócio do zero não é fácil, mas se feito da maneira certa pode te render bons frutos e trazer um ótimo retorno. A característica mais importante para iniciar esse projeto, é ter paixão por ele. Apesar de ser menos complicado começar possuindo uma vasta reserva de capital, é possível usar sua inteligência, criatividade e dedicação para começar mesmo sem muito dinheiro. Separamos algumas dicas para começar um pequeno negócio do zero, mas não sabe por onde ou como começar.

Começando um pequeno negócio do zero

Pequeno negócio começando

Antes de qualquer coisa, não desanime. Lembre-se que grandes empreendedores como Bill Gates e Steve Jobs começaram sem nada.

Tenha um objetivo

O primeiro passo é ter um objetivo concreto, concentre-se para atingi-lo. Pense em qual é o seu objetivo maior e dê tudo de si para chegar lá.

Pesquise seu mercado

Converse com seu público alvo sobre suas ideias e verifique se elas causam interesse, caso seja necessário, reformule sua ideia até se sentir satisfeito com a reação do público. Você também deve analisar seus concorrentes, fazer mais do mesmo pode não ser uma boa ideia, é preciso inovação. Não fique desmotivado caso o mercado pareça competitivo demais, sua ideia pode ser exatamente o que está faltando para atrair um grande público.

Tenha disciplina

A disciplina é a alma de qualquer negócio, só com ela você conseguirá decretar o crescimento de seu negócio do zero. Estipule para si mesmo horários e prazos para iniciar e finalizar tarefas.

Escolha um caminho seguro

Se você tem pouco capital para iniciar o seu negócio, não se jogue de cabeça tão rápido. Continue em seu trabalho atual, dessa forma, se algo não sair como você espera, você estará seguro. Escolha caminhos seguros, não invista mais do que você pode e esteja sempre atento a eventuais problemas.

Aproveite seus bens já existentes

Estude a possibilidade de usar os recursos disponíveis, como transformar aquela sala ou quarto vazio da casa em um escritório. Lembre-se que grandes empresas como o Facebook ou a Apple se iniciaram em garagens ou no porão. Dessa forma, você poupa o dinheiro que gastaria com o aluguel, sobrando mais para investir.

O que evitar

Assim como existem dicas do que fazer para começar um negócio do sério, também temos dicas do que você deve evitar nesses casos.

Contratos de longo prazo

Começar um negócio do zero é algo incerto, durante algum tempo você pode acabar se contestando se foi realmente boa ideia, por isso, evite contratos a longo prazo como aluguéis e contratos empregatícios.

Evite pegar dinheiro emprestado

É possível começar do zero sem possuir muito capital, se você não estiver completamente disciplinado com as contas, pegar dinheiro emprestado pode ser fator de risco muito grande e você pode acabar se endividando.

 

E aí, preparado para começar o seu negócio do zero? Não se esqueça de usar o Aplicativo Troco Simples para facilitar o seu troco! Boa sorte 😉

 

21
jul

Educação financeira: Quando começar a ensinar?

Saber lidar com o dinheiro tem se tornado cada vez mais importante, principalmente quando se trata de um país em crise econômica. A educação financeira das crianças deve ser ensinada desde cedo, quanto mais cedo ela for instruída a administrar corretamente seu dinheiro, mais fácil será se tornar um adulto bem-sucedido e sem dívidas.

É interessante ensinar para o seu filho, que nem tudo o que ele vê nos comerciais, nas propagandas e na internet é para comprar, mas qual é o momento certo para começar a ensinar?

Quando iniciar a educação financeira

Educação Financeira Infância

Os primeiros passos na infância

O primeiro contato que uma criança tem com o dinheiro, é quando ela começa a demonstrar seus desejos próprios e isso começa bem cedo, por volta dos três ou quatro anos! Já nessa fase, é importante que a criança aprenda algumas coisas básicas;

  • Valorizar seus brinquedos, roupas e alimento. Faze-la entender que essas coisas significam muito mais do que seu preço.
  • Faça com que ela mereça ganhar seus presentes, não a presenteie a todo momento e por qualquer razão.
  • Ensine que é interessante repartir quando temos muito com aqueles que tem pouco.

O primeiro contato com dinheiro

Com 6 ou 7 anos, será o momento onde a criança começará a ter contato com suas primeiras operações matemáticas, sendo possível então introduzir o tema em situações cotidianas, como em uma ida ao mercado ou à feira.

  • Ensine que as cédulas, cartões e cheques não sou objetos mágicos. Ou seja, para eles existirem foi necessário muito esforço e trabalho.
  • Deixe claro que nem sempre as marcas mais caras são as melhores a ser consumidas, e que existem marcas mais em conta que possuem a mesma qualidade.
  • Dê um cofre para a criança guardar suas moedinhas para que ela realize algum sonho de consumo. Uma bola ou uma boneca que ela conquiste através de sua disciplina é uma poderosa ferramenta de ensino, a criança levará esses valores para o resto da vida.

Introdução da mesada

A partir dos 8 aos 14 insira a mesada, que deve ser encarada única e exclusivamente como um instrumento de educação financeira, evitando relaciona-la com atividades como desempenho escolar ou tarefas domésticas. A criança deve entender que essas são suas obrigações, sem necessariamente ser recompensada por isso.

  • Estabeleça um valor mensal, não precisa ser muito, o ideal é um real por idade, por exemplo, se ele tem 8 anos, ganhará 8 reais por semana, ou estabeleça um valor por mês.
  • Ensine a criança a fazer suas escolhas, comprar algo hoje ou poupar para algo maior no futuro, e coisas assim.
  • Ensine a importância de poupar o dinheiro e não o gastar todo de uma vez só.

Estimulando a independência

A partir dos 15 anos estimule-a a ter vontade de ganhar o próprio dinheiro, não necessariamente com um emprego fixo, mas fazendo pequenos trabalhos.

  • Aos poucos, passe ao adolescente a responsabilidade de arcar com algumas despesas, como colocar créditos no seu próprio celular ou ajudar com metade de alguma conta da casa.
  • Se preferir, abra uma poupança em nome dele em banco, e deixe que ele defina a quantidade que irá poupar.

Lembre-se: o maior exemplo na educação das crianças será sempre os seus pais. Se você quer que seus filhos sigam suas instruções, é preciso mostra-los na prática como isso funciona e influencia em sua vida.

‘’O exemplo não é a melhor forma de ensinar, é a única!” (Albert Schweizer)

Não deixe para depois, quanto mais cedo você começar a ensinar sobre educação financeira, maior a probabilidade de seu filho se tornar um adulto bem-sucedido. Gostou das dicas? Continue acompanhando o blog 😉

 

14
jul

Cuidando do seu dinheiro: como não fazer dívidas

É muito comum que mesmo sem querer algumas pessoas acabem se endividando. A sociedade está cada vez mais consumista e em todos os meios de comunicação somos estimulados a gastar, gastar e gastar. Mas será que há um jeito de evitar isso? O que fazer para fugir das dívidas? Veja algumas dicas de como não fazer dívidas e cuidar melhor do seu dinheiro.

Como cuidar do dinheiro e evitar dívidas

Dívidas poupança

Saiba quanto você gasta

Para começar, é essencial que você saiba exatamente quanto ganha, após todos os descontos de imposto, INSS ou gastos com plano de saúde. Então, levante quais são seus gastos fixos e variáveis e suas dívidas, como financiamentos e as próximas faturas do cartão. Uma pesquisa realizada pelo SPC Brasil em 2014, revelou que 42% das pessoas não sabem dizer precisamente qual é sua renda.

Verifique se está gastando com serviços que não usa

Depois de revisar suas receitas e despesas, preste atenção nos gastos que você tem realizado e não fazem sentido, como planos de academia que não têm sido 100% usufruídos ou serviços de telefonia fixa, assinaturas de revistas e outros meios que podem ser cortados sem grandes problemas.

Reavalie seus gastos mais pesados

Se suas despesas estão maiores que o seu bolso pode aguentar e cortar gastos mínimos como os citados a cima não irá adiantar em nada, reavalie seus gastos mais pesados e reajuste sua vida a essa realidade. Faça mudanças significativas como se mudar para um imóvel menor para reduzir gastos com o financiamento e condomínio, ou venda o seu carro e opte por um modelo popular.

Crie uma meta de poupança

Crie ume meta de quanto precisa poupar no mês para não fazer dívidas. Após algum tempo poupando, você poderá ter um bom dinheiro para realizar vontades como uma viagem, um carro novo ou um novo imóvel.

Negocie antes de comprar

Sempre que você for comprar um produto, tente negociar para conseguir um preço melhor. A melhor forma de negociação está no pagamento em dinheiro, dessa forma o vendedor não precisará pagar uma taxa de uso da máquina de cartão e poderá te dar um bom desconto no preço final.

Abra mão do consumo superficial

Nem sempre nós compramos apenas aquilo que é essencial, está na nossa cultura consumir em excesso. Por um tempo, corte gastos que não são tão importantes assim, corte a TV a cabo, faça exercícios em casa ou na rua ao invés de ir para a academia, evite usar o carro para ir em lugares que você poderia facilmente ir a pé ou de bicicleta.

Tenha uma reserva de emergência

Situações inesperadas podem acontecer, nunca se sabe quando algum distraído irá bater no seu carro, o cano da cozinha irá estourar ou alguma doença que o plano de saúde não cobre irá aparecer. É claro que são situações que ninguém quer passar, mas é preciso estar preparado. Após fazer as contas e estuda-las, faça uma poupança reserva.

Tente não pagar em parcelas

Muitas vezes escolhemos pagar em parcelas, já que isso nos dá a sensação de que menos dinheiro está sendo gasto. Só que quando você faz disso um hábito, pode acabar se perdendo e postergando pagamentos, gerando juros. Quando você paga à vista, você se controla mais.

Aplicativo Troco Simples

Por último, mas não menos importante, não se esqueça que você pode deixar o seu dinheiro rendendo em até 6% por ano no Aplicativo Troco Simples! É a maneira mais fácil de fazer o seu dinheiro render.

Essas são algumas dicas de como não fazer dívidas cuidando do seu dinheiro. Você está seguindo esses passos?

 

7
jul

Lei permite desconto para compras à vista em dinheiro

Em junho de 2017, foi sancionada a lei que torna legal adotar valores diferentes para cada forma de pagamento. Isso é, em outras palavras, desconto para as compras em à vista e em dinheiro garantido. O desconto ou precificação diferente por conta do método de pagamento era proibido e, a partir de agora, além de legal será regido por esta lei prática. Confira os detalhes e as vantagens que ela trará para o varejo e consumidores.

Objetivo da lei para desconto para compras à vista

A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), esclareceu o objetivo de uma lei que regulamenta o desconto para compras à vista. Segundo a mesma, a permissão da prática melhora o ambiente de negócios, estimula a economia do Brasil neste período de crise e oferece ao consumidor brasileiro o que ele mais a adora na hora de pagar com dinheiro: pechinchar.

Barganha e Pechincha na crise econômica

Para o brasileiro, conseguir um bom desconto é fundamental independentemente da forma de pagamento. Aliás, quem não gosta de pagar menos? E isso vale para qualquer situação ou época. Porém, durante a crise econômica, quando o poder de compra é de fato menor, a pechincha é importante para que tornar possível as compras de artigos essenciais.

Vantagens para o consumidor

A cada dez brasileiros, sete já estão acostumados a pedir desconto em compras à vista. E, já que pechinchar faz parte da nossa cultura, com a nova lei, as vantagens para os consumidores serão:

  • Compras em dinheiro mais baratas
  • Maior oportunidade de barganha
  • Estímulo à economia
  • Dinheiro em espécie para circulando no varejo

Vantagens para o varejo

Enquanto isso, os estabelecimentos também serão beneficiados. As mudanças estão bem claras:

  • Aumento da procura e das vendas
  • Redução das taxas de administradoras de crédito
  • Segurança jurídica para a política de preços

Mas para que esta nova política de preços e descontos seja válida e legal, os estabelecimentos devem informar em lugar visível quais serão os descontos para pagamento em dinheiro. O não cumprimento dessa regra, acarretará multa já prevista no Código de Defesa do Consumidor.

Conscientização do valor do dinheiro

Com a lei de desconto para compras à vista, vemos a valorização do dinheiro e a oportunidade crescente de reverter a situação da quantidade de troco disponível atualmente. Uma pesquisa do Banco Central alerta que a cultura de “entesouramento” do brasileiro, faz retirarmos um terço das moedas de circulação. Saiba mais sobre isto em outro post do blog clicando aqui.

No entanto, a emissão de cédulas do real também foi reduzida. De 3 bilhões, a produção caiu para menos de 1 bilhão em 2015, afetando as vendas de qualquer comércio por conta da falta de troco.

Vamos aproveitar a nova lei para melhorar a economia do país, fazer melhores negociações e transformar o cenário de troco do varejo.

E por falar em troco, você já conhece o aplicativo Troco Simples? Baixe grátis e saiba como as suas moedas podem valer muito mais!